Sim.


Nas avaliações que utilizam a TRI, as questões são alocados em uma escala de proficiência (a mesma escala em que é dada a nota do aluno).

Por exemplo:


Na correção pela TRI, o aluno que acerta as questões 8 e 4, recebe "nota" 400; o aluno que acerta as questões 8,4 e 1 recebe aproximadamente 500 e assim por diante.


Note que se, nesse exemplo, um aluno não acertar questões, inferimos que a "nota" dele é menor que 300 (nível de dificuldade da questão mais fácil da avaliação). No entanto, como não temos questões abaixo do 300 (para identificarmos até onde o aluno consegue acertar), não conseguimos dizer qual é exatamente a "nota" dele. 

Assim, dada a limitação do instrumento, é dada a "nota" 300, que é a menor nota possível na avaliação.