Para se assegurar a qualidade da avaliação padronizada, além da validação pedagógica de cada item é necessária uma validação estatística.


Mas o que seria essa validação estatística?

Por mais que uma questão seja analisada por diversos professores, algumas informações podem ser incertas ou, até mesmo, causar divergências entre os especialistas. Por exemplo:

  • Será que alguma alternativa do item está absurda a ponto de ser facilmente desconsiderada por muitos alunos?
  • Será que não tem alguma "pegadinha" que possa ter passado despercebida?
  • Será que os alunos vão achar o item fácil, médio ou difícil?

Para responder essa e outras perguntas, antes de comporem uma avaliação padronizada, os itens passam por um pré-teste.


O pré-teste nada mais é do que a aplicação desses itens para uma amostra de população. De forma prática, pense que os itens que compõem, por exemplo, o Enem de 2017 foram pré-testados por alunos do Ensino Médio em anos anteriores.


Como resultado do pré-teste, tem-se diversas informações estatísticas. Três delas são mais conhecidas, pois correspondem aos três parâmetros de um item:

  • Parâmetro a: o quanto o item diferencia um aluno que sabe responde-lo de um aluno que não sabe responde-lo.
  • Parâmetro b: o grau de dificuldade do item.
  • Parâmetro c: a probabilidade de uma aluno que não sabe responde-lo, acertá-lo ao acaso ("chutando").