Se você é educador, deve estar familiarizado com a avaliação interna, que é aquela elaborada pelo professor para avaliar um determinado grupo de alunos.


Embora tenha papel fundamental no processo de ensino e aprendizagem, a avaliação interna não responde a algumas perguntas, como:

  • Se cada professor tem seus métodos e critérios, como comparar de maneira justa os desempenhos de alunos de diferentes turmas, escolas, cidades e estados?
  • Se um aluno é avaliado de diferentes maneiras ao longo da vida escolar, como inferir a evolução desse aluno?
  • Se, ao longo dos anos, as avaliações dos alunos não é a mesma, como inferir a melhora ou piora da educação em uma escola, cidade, estado ou país?


A avaliação externa de larga escala busca responder a essas e outras perguntas.


Por ser externa à dinâmica professor-aluno, ela é independente e avalia de maneira uniforme os alunos que possuem diferentes professores. Ela também é padronizada para garantir a comparabilidade dos resultados da rede ao longo dos anos.


A aplicação em larga escala tira do foco da avaliação o aluno e coloca a escola/ rede/ município ou estado.


Dessa forma, em suma, a avaliação em larga escala busca avaliar de maneira independente e comparável ao longo do tempo, a educação de uma determinada região.


Para garantir que seu objetivo seja atingido, a avaliação externa de larga escala tem alguns requisitos:

  • Definição clara do que é avaliado, ou seja, o que se espera que cada aluno em cada etapa escolar seja capaz de fazer;
  • Comparabilidade ao longo do tempo;
  • Capacidade de embasar indicadores que facilitem a tomada de decisões.