A proficiência de um aluno em uma área do conhecimento pode ser interpretada como o quanto esse aluno domina as habilidades avaliadas nessa área do conhecimento. Frequentemente a proficiência é também chamada de nota.



Nas avaliações que utilizam a Teoria de Resposta ao Item (TRI), os itens (questões) que a compõem são distribuídos de forma a cobrir uma escala de dificuldade que é equivalente a escala de proficiência do resultado da avaliação.


Vamos supor que uma avaliação possui 10 itens de Matemática alocados em uma escala que varia de 0 a 500:

Ao corrigir essa avaliação, a TRI infere que o aluno que acerta as questões 4, 1, 5, 7 e 6 domina a Matemática até o nível 250, ou seja, sua proficiência em Matemática é 250. Já o aluno que acerta as questões 4, 1, 5, 7, 6, 3, 8 e 10 domina a Matemática até o nível 400 (possui proficiência 400).


Se, por acaso, um aluno acertar as questões 4, 1, 5, 7, 6 e 2, a metodologia considera que o acerto da questão 2 foi ao acaso (veja que não faz sentido o aluno acertar a questão 2 que é a mais difícil da avaliação e não acertar as questões 3, 8, 10 e 9, que são mais fáceis) e que ele domina matemática até aproximadamente o nível 250.