O que encontro?


Percentual de alunos em cada um dos cinco níveis de proficiência definidos pelo INEP.

Por meio do uso dos filtros acima do relatório, tal informação pode ser visualizada:

a) Para as diferentes áreas do conhecimento – Ciências Humanas, Ciências da Natureza, Linguagens e Códigos, Matemática ou Redação;

b) Em relação à diferentes grupos de comparação – Média da região, média das escolas particulares da região, média das 10 melhores escolas do país, média das 10 melhores escolas do estado, média das 10 melhores escolas da macrorregião, média das oito escolas selecionadas como concorrentes ou cada uma das oito escolas individualmente;

c) Para as diferentes edições do exame – de 2009 até o último ano cujos microdados foram divulgados.


Como leio?


No eixo X (horizontal) são apresentados os cinco níveis de proficiência definidos pelo INEP e, no eixo Y (vertical) a porcentagem dos alunos da escola no nível. Desta forma, a maior barra indica uma maior proporção de alunos da escola no respectivo nível.
Utilize o segundo filtro para visualizar a distribuição das pontuações dos alunos nas diferentes áreas do conhecimento. No terceiro filtro, escolha com quem deseja comparar sua escola. Por fim, no último, selecione a edição exame que deseja analisar.
Segundo o INEP, para as 4 áreas do conhecimento o nível 1 é caracterizado por alunos com proficiência inferior a 450 pontos; o nível 2 por alunos com proficiência entre 450 e 549,99; o nível 3, entre 550 e 649,99; o nível 4, entre 650 e 749,99; e, por fim, o nível 5 que contempla os alunos com proficiência superior a 750. Para redação, os recortes são: nível 1 – menor que 500; nível 2 – entre 500 e 599,99; nível 3 – entre 600 e 699,99; nível 4 – entre 700 e 799,99; e nível 5 – igual ou maior que 800.


O que faço com a informação?


Reflexão pedagógica: A análise do gráfico permite uma reflexão sobre a heterogeneidade dos alunos da escola. Se a escola, sistematicamente, possui alunos distribuídos pelos diferentes níveis, ela possui classes bastante heterogêneas, o que pode representar desafios para o professor que deve saber lidar com alunos com diversos níveis de proficiência e demandas específicas. Neste caso, é possível identificar grupos de alunos que estão acumulando defasagens e se possível, oferecer algum tipo de reforço.  Se, por outro lado, a escola tende a apresentar a maior parte dos seus alunos concentrados em determinada faixa de proficiência, isso significa que as turmas são homogêneas e tendem a assimilar as aulas no mesmo ritmo.